Princípios da Família Shalom

Compartilhamento

Preparando a celebração de S. João Evangelista

Princípios da Família Shalom

 

1.Princípio do Carisma: O Amor de Deus, Trindade Santa, é a nossa fonte, amor fonte. Nascemos da ação do amor de Deus, da experiência do amor de Deus. A experiência do amor de Deus chama-nos a ser uma “pequena semente de Libertação” para a vida em abundância.

2.Princípio da Espiritualidade: O encontro com Jesus Cristo leva-nos ao coração da Trindade, a ser livres na gratuidade da liberdade do amor, ao Shalom, à experiência do Reino, à Eucaristia, à escuta da Palavra, à união com Deus na vida. A gratuidade da liberdade do amor é a nossa maturidade espiritual (lava-pés).

3.Princípio da Missão: A Evangelização da Juventude é a nossa missão específica. A nossa ação libertadora estará sobretudo voltada para os jovens. A Evangelização da Juventude é o caminho que escolhemos para a transformação da sociedade.

4.Princípio da Pedagogia: Vivemos em processo de transcendência, pela busca da integração de todas as riquezas do nosso ser, através do crescimento humano e espiritual, e da transformação, em ação-reflexãoação, tendo como meta a nova sociedade do Reino.

5.Princípio do Shalom: Shalom é a Paz de Jesus encarnado e ressuscitado, vivida como harmonia da pessoa consigo mesma, com Deus, com as pessoas e com a natureza. O Shalom é a plenitude das relações, da vida em Deus. Jesus Cristo é o rosto humano do Shalom. O povo do Antigo Testamento esperava que o Messias trouxesse a Paz. Jesus veio e o Reino de Deus realizou-se n’Ele e por Ele. Shalom é a abundância dos bens que Deus oferece à Humanidade: alegria, salvação, libertação, justiça, graça; é uma estruturação social nova, onde todos tenham pão, casa, saúde, dignidade, um lugar de pessoas “imagem e semelhança de Deus”... a sociedade nova do Reino. Viver na gratuidade da liberdade do amor é o sinal mais concreto da vida Shalom.

6.Princípio do Amor: A vivência do amor chama-se serviço generoso, desinteressado e livre, lava-pés, amor de Jesus partilhado.

7.Princípio da Oração: A Oração mantém-nos unidos e rejuvenesce a nossa vida, na comunhão com o Ser de Deus nossa fonte. De Deus vem nossa inspiração e nossa identidade. A nossa oração é contemplativa, bíblica, eucarística, comprometida com a transformação e encarnada na vida.

8.Princípio da Integração: Nada do que vivemos será rejeitado, mas acolhido, perdoado, integrado, para que todo o nosso ser espelhe a alegria e a ternura de Deus.

9.Princípio da Fraternidade: Cada ser é digno de uma estima radical que constitui todos os seres, porque cada ser tem sua verdade na criatividade do amor de Deus.

10.Princípio da Utopia: A utopia do Reino de Deus é a certeza que temos na frente, a garantia da sociedade nova. Os valores do Reino constituem o nosso modo de viver.

11.Princípio da Consagração: Deus caminha dentro de nós e vai tomando conta de todo o amor que há em nós, repartindo o nosso ser para os pobres. Nós caminhamos dentro de Deus, Trindade Santa, na alegria de ser livres e na doação de nossa vida.

12.Princípio do Artesanal: Nada se repete, tudo é novo, saindo da pessoa original e livre. A obra nasce da ação direta das nossas mãos, como expressão da harmonia do espírito e da matéria, arte-comunhão. A gratuidade acompanha tudo: os nossos ambientes respiram humanidade, anticonsumismo, a beleza e a cultura do povo. O artesanal expressa o nosso ser criativo e a nossa relação de simplicidade com a vida.

13.Princípio de João: Amigo de Jesus, seguiste “o caminho, a verdade e a vida”, a Palavra que “se fez carne e habitou entre nós”. Por ti sabemos que “Deus é amor” e que “no amor não há medo.” (1Jo.4,18) “Quem permanece no amor permanece em Deus e Deus permanece nele.” (1Jo.4,16) “Vejam que prova de amor o Pai nos deu: sermos chamados filhos de Deus.” (Jo.3,1).

14.Princípio da Intimidade: E, se Tu foges de mim, eu Te desejo e, se Te encontro, eu Te volto a perder, porque o meu ser não consegue Te abraçar e cada ponto de chegada é um começo de um amor sempre mais belo e exigente; e, então, me perco no encanto de Te amar, porque o meu ser não tem limites no desejo e meu amor é mais feliz ao Te encontrar.

15.Princípio do Redondo: A relação com Deus é como uma dança circular: sempre nos coloca numa relação de filhos e filhas, de irmãos e irmãs. Deus é o centro. Voltados para Deus, o nosso rosto descobre um rosto de irmãos; o poder transforma-se em serviço; a liberdade em gratuidade; as relações em fraternidade,em igualdade. A Comunidade cristã cresce pelo encontro com Deus: alguém recuperou o rosto de filho e de irmão, de filha e de irmã, de imagem e semelhança e semelhança de Deus.

16.Princípio da Originalidade: A liberdade e o amor dão-nos a condição de ser únicos, de fazer uma experiência original e única. O amor nos atrai à plenitude e pela liberdade fazemos a nossa vida ser nossa, na riqueza da opção. Somos originais caminhando no amor e na liberdade, a nossa marca original.

17.Princípio da Educação Libertadora: A educação libertadora é um processo vivo de sujeitos em conscientização, criativos e ativos. Começa na tomada de consciência crítica, aprofunda-se na opção e concretiza-se na ação transformadora, seguindo-se a avaliação que é uma nova tomada de consciência crítica.

18.Princípio da Espiritualidade Libertadora: A vida no Espírito é uma caminhada na liberdade, para a liberdade. A liberdade, assumida no concreto da nossa História, nasce da experiência de Deus, no seguimento de Jesus, deixa-se evangelizar pelos pobres e transforma-se em libertação integral da pessoa humana. O amor torna-se político e toda a vivência cristã se consuma na promoção da Vida. As situações de morte nos interpelam a seguir o Cristo libertador e a fazer a experiência dele no coração do mundo. A liberdade passa para a ação transformadora, para o compromisso engajado, dentro da sociedade, acolhendo o Reino nas nossas formas de vida concretas.

19.Princípio da Espiral: O desenvolvimento humano é feito em espiral: um ciclo que se fecha está iniciando outro menos disperso, mais consciente, mais intenso, mais significativo, mais definitivo. Assim é a evolução da consciência e o processo do amadurecimento. Assim é o processo de conscientização e amorização. Assim é o processo do Movimento: parte da realidade, ainda confusa e desorganizada (encarnação) e vai progressivamente crescendo em espiral, através da conscientização e da educação na fé, concretizando a utopia do “novo céu e da nova terra”, do Reino, do Senhor ressuscitado na História.

20.Princípio do Chamado: A pessoa humana é alguém que é chamado/a. Isto significa: somos porque Deus nos chamou a ser; somos em relação, pois alguém nos chama; compreendemos o nosso passado, o presente e o futuro, a partir do chamado de Deus; percebemos o sentido da vida, porque o Amor nos chamou e nos chama. “Alguém que é chamado/a” é a melhor definição de pessoa humana.

Veja o ultimos artigos da Comunidade

Acompanhe nossas redes sociais

Siga-nos pelo Facebook

Siga-nos pelo Instagram

Acompanhe nosso canal no Youtube